sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Mais ou menos

A gente pode morar
numa casa mais ou menos,
numa rua mais ou menos,
numa cidade mais ou menos
e até ter um governo mais ou menos.
A gente pode dormir
numa cama mais ou menos,
comer um feijão mais ou menos,
ter um transporte mais ou menos
e até ser obrigado a acreditar
mais ou menos no futuro.

A gente pode olhar em volta e sentir
que tudo está mais ou menos,
tudo bem!

Mas o que a gente não pode mesmo,
nunca, de jeito nenhum:
É amar mais ou menos,
é sonhar mais ou menos,
é ser amigo mais ou menos,
é namorar mais ou menos,
é ter fé mais ou menos,
é acreditar mais ou menos.

Senão a gente corre o risco de se tornar
uma pessoa mais ou menos.
* Chico Xavier

As fotos















quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

O casamento da Bila e do Lauro


15 de dezembro ficará marcado como um divisor de águas como diz minha amiga Karine. De agora em diante será o antes e o depois do casamento da Bila e do Lauro. E eu digo isso não só pela decoração, pelos pequenos e grandes detalhes tão bem escolhidos e arrumados pela Laura, mas pela emoção e pela felicidade que transbordavam do casal.

A cerimônia na Catedral foi linda! O sermão do padre Afonso MA-RA-VI-LHO-SO! Eu tava até durona, mas qdo ele explicou que o osso é a parte mais nobre do corpo humano e por isso Deus fez a mulher dele e que o Lauro estava recebendo o que de melhor e mais nobre a tia Heledirce e o tio George tinham, eu não me agüentei, chorei meeeeeeesmo!! Pq a Bila não é só o que de melhor os pais dela tem, ela tbm é o que de melhor nós temos. Quando digo nós, me refiro a Ka, Mirna, Adrina, Mabel e euzinha é claro. E na verdade todas nós sentimos como se estivéssemos entregando junto com eles a Bila para o Lauro.

E ela estava simplesmente LINDA! Eu, Jannice de Souza Dantas nunca tinha visto na minha vida uma noiva mais linda e mais feliz. E o melhor de tudo é que todos que estavam presentes tbm compartilhavam essa felicidade. Estavam felizes, alegres. Parecia mais uma festa em família, onde todos conversavam animadamente, se divertiam, cantavam, dançavam, enfim, todos entrosados.

E o Laurinho? Gente eu tbm nunca tinha visto um noivo mais feliz. Ele parecia aquelas crianças qdo ganham do Papai Noel o presente que queriam. Ele tava solto, alegre!

Mas o melhor de tudo foi a karine pegar o buquê. Eu fui a primeira a puxar o coro de marmelada...marmelada... mas se a gente tivesse combinado isso não tinha acontecido! E o pior é que agora a Ka quer ir embora do Acre, pq diz que nunca gritou tanto na vida quanto na hora que pegou o buquê. Ta morrendo de vergonha! Só não sei onde ela arrumou essa vergonha toda, mas tudo bem.

Tenho certeza que o melhor presente que a Bila recebeu foi dado em conjunto por quatro amigas: Nadine, Carol, Adriana e Keila. Elas vieram da Bélgica, de Campinas, Brasília e Sampa para estar ao seu lado nesse momento tão importante.

Mas o melhor de tudo foi eu ver minha filha linda num vestido rosa conversando com a Nadine, a amiga Belga da Bila. Vocês devem estar se perguntando, mas que coisa mais besta, o que tem demais conversar com a Nadine? Realmente não teria nada demais se elas não tivessem conversando em inglês. Agora sim, vocês já podem imaginar o tamanho do meu orgulho né?

Bom... foi isso ai... Nada de protocolos... muita alegria... muita comida.... muita bebida.... muita diversão e é claro muita ressaca!!

Desejo ao casal um caminho cheio de união, compreensão e amor!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Ô médico bom

Hoje meu pai foi ao médico, ao 15º médico se não me engano. Já passou por clínicos gerais, cardiologistas, neurologistas, infectologistas e assim vai...Todos pedem milhares de exames que sempre dão em nada, pois nunca acusam alguma alteração. Pra mim e pro resto da família isso é ótimo, mas pro papai é péssimo. Ao contrário das outras pessoas que sonham em comprar a casa própria, um carro, arrumar um emprego, passar no vestibular, se curar de um doença meu pai alimenta um grande sonho de ser portador de uma determinada doença que tem um nome meio complicado e eu não me recordo agora.

Vocês podem achar que eu estou inventando, aumentando ou algo assim (e pra falar a verdade eu devo estar mesmo, mas é pra dar um ar cômico ao assunto), mas se vocês estivessem junto com a gente quando ele saiu do consultório do tal médico que finalmente disse que ele poderia ter a tal doença, vocês certamente veriam a cara de felicidade que ele tava.

Também coitado, já faz mais de dois anos que ele roda atrás de alguém que dê esse bendito diagnóstico e agora que conseguiu só podia estar pra lá de contente.

- E ai pai gostou do médico?
- Gostei minha filha, esse médico é MUUUUIIIITOOO BOM!
- E o que ele disse?
- Disse que eu devo ter a tal doença pq eu apresento todos os sintomas, esse sim acertou o diagnóstico!
- Agora você tá feliz né pai? Encontrou alguém que disse o que você queria ouvir!
(Risos, muitos risos)

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Quatro chopes por dia


Não que eu queira virar alcoólatra, mas minha meta depois que eu entrei de férias da faculdade é tomar 4 chopes todos os dias. Se isso realmente acontecer serão 28 chopes por semana, 120 por mês o que faz um total aproximado de 260 ao final das férias, já que nem dezembro e nem fevereiro são meses inteiros de férias, pois só gozamos aproximadamente 15 dias de cada mês.

Creio que 260 chopes não é um número assim tão alto para que chegue a preocupar meus familiares e amigos. O que eu quero mesmo é relaxar do dia de trabalho que é altamente estressante.

Por enquanto to conseguindo, hoje já é quinta-feira e eu to na labuta do chopinho sujo desde segunda, só não sei até quantos chopes meu bolso vai agüentar. Um chope custa em média três reais e quando a gente pede sujo (ou seja com limão, sal e gelo) é cobrado entre um a dois reais a mais, dependendo do local.

Calculando em reais custa uma média de aproximadamente R$ 480, 00 por mês e isso falando só no chopinho, pq ainda tem que acrescentar o tira-gosto e os dez por cento do garçom. Xiiiii...Acho que essa minha meta não vai durar muito.

Barriga é barriga...

Mais um texto do Jabor, também vamos combinar né? Ele é o cara! Quando crescer quero escrever igual a ele.
Barriga é barriga, peito é peito e tudo mais. Confesso que tive agradável surpresa ao ver Chico Anísio no programa do Jô, dizendo que o exercício físico é o primeiro passo para a morte.
Depois de chamar a atenção para o fato de que raramente se conhece um atleta que tenha chegado aos 80 anos e citar personalidades longevas que nunca fizeram ginástica ou exercício - entre elas o jurista e jornalista Barbosa Lima Sobrinho - mas chegou à idade centenária, o humorista arrematou com um exemplo da fauna: A tartaruga com toda aquela lerdeza vive 300 anos. Você conhece algum coelho que tenha vivido 15 anos ?
Gostaria de contribuir com outro exemplo, o de Dorival Caymmi. O letrista, compositor e intérprete baiano é conhecido como pai da preguiça. Passa 4/5 do dia deitado numa rede, bebendo, fumando e mastigando. Autêntico marcha-lenta, leva 10 segundos para percorrer um espaço de três metros. Pois mesmo assim e sem jamais ter feito exercício físico, completou 90 anos e nada indica que vá morrer tão cedo.
Conclusão: Esteira, caminhada, aeróbica, musculação, academia? Sai dessa enquanto você ainda tem saúde...!!!!!
E viva o sedentarismo ocioso!!!
Não fique chateado se você passar a vida inteira gordo. Você terá toda eternidade para ser só osso!!!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Príncipes e ogros

Não fui e nunca serei uma princesa de contos de fadas, por isso não adianta ficar trancada em meu castelo a espera do príncipe encantado. Ele nunca virá montado em seu cavalo branco, vestido de azul bater a porta da minha casa pedindo para que eu me case com ele, pois está perdidamente apaixonado por mim mesmo sem nunca ter me visto.

De qualquer forma príncipes encantados não existem e nos dias de hoje a beleza exterior é tão valorizada que as pessoas esquecem de cuidar do interior e se tornam vazias, sem conteúdo, sem cultura, sem assunto e sem nada de bom pra acrescentar. De que me adiantaria ter um príncipe lindo ao meu lado que não sabe nem conversar?

Por isso eu prefiro os ogros, eles sim, são inteligentes, autênticos, resolvidos, sabem como tratar uma mulher, conseguem conversar sobre qualquer assunto, pois quando estão com tempo livre, em vez de ir pra academia malhar os músculos, estão em casa malhando o cérebro, lendo e se informando.

10 coisas que um homem pode fazer para me irritar


1. Não atender minhas ligações
2. Não retornar minhas ligações
3. Marcar um compromisso e não ir
4. Prometer e não cumprir
5. Marcar e depois em cima da hora desmarcar compromisso
6. Falar errado
7. Escrever errado
8. Ligar só quando precisa
9. Falta de cultura
10. Ser arrogante

Cansei de esperar quem não ficou de vir


Cansei!! Não sei se é por causa do meu signo ou pq eu nasci com esse gênio mesmo, mas como eu já falei em outro post, eu me canso das coisas e coisas ou pessoas difíceis me cansam mais ainda. Eu bem que queria que tivesse rolado algo entre eu e meu paquera, mas não rolou. Eu tenho 33 anos e justamente agora nessa fase da vida (que estou solteira) eu descobri que não sei paquerar, não sei ‘chegar junto’. Isso me deixou muito preocupada, pq eu também não sei vê os ‘sinais’ de alguém que esteja me paquerando, quer dizer, além de tudo sou cega.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Sede de amor

Essa crônica do Arnaldo Jabor traduz bem o realidade dos dias de hoje, dos relacionamentos ou melhor, do medo que as pessoas tem de se relacionarem, de achar normal o que não é normal e de se acostumar com a solidão, pq o chique é ser só. Chama-se Sede de Amor.

Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos, chegam sozinhas e saem sozinhas.

Empresários, advogados, engenheiros que estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos.

Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos 'personal dance', incrível. E não é só sexo não, se fosse, era resolvido fácil, alguém duvida?
Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão 'apenas' dormir abraçados, sabe essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma evolução cega.

Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção.

Tornamos-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber como voltar a 'sentir', só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós.

Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada no site de relacionamentos ORKUT, o número que comunidades como: 'Quero um amor pra vida toda!', 'Eu sou pra casar!' até a desesperançada 'Nasci pra ser sozinho!' Unindo milhares, ou melhor, milhões de solitários em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis.

Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento e estamos a cada dia mais belos e mais sozinhos. Esse é o problema, mulheres que só se preocupam em sair com caras sarados, bonitões... e não se preocupam com o caráter... Isso pra mim é burrice! Sei que estou parecendo careta, mas pelo contrário, pra chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa.

Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia é feio, démodé, brega...

Alô gente! Felicidade, amor, todas essas emoções nos fazem parecer ridículos, abobalhados, e daí?

Seja ridículo, não seja frustrado, 'pague mico', saia gritando e falando bobagens, você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta mais (estou muito brega!), aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso à dois. Mas não, as pessoas insistem nas pessoas erradas... naquelas que as fazem sofrer...

Quem disse que ser adulto é ser ranzinza, um ditado tibetano diz que se um problema é grande demais, não pense nele e se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele.

Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si mesma por ser estabanada; o que realmente não dá é continuarmos achando que viver é out, que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: 'vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois ou quem sabe os dois, vão querer pular fora, mas se eu não pedir que fique comigo tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida'.

Antes idiota que infeliz!

* Arnaldo Jabor

domingo, 9 de dezembro de 2007

Quem é seu namorado?

Eu tava em casa tranqüila qdo minha amiga Francielle ligou, me chamando p eu ir correndo p faculdade que o professor que só ia aplicar prova no segundo horário já estava dentro de sala. Eu tinha acabado de tomar banho, foi uma correria louca, mas como a faculdade fica pertinho aqui de casa logo cheguei lá.

Esbaforida e nervosa, pois essa é a disciplina bicho-papão desse período (não pelo conteúdo, mas pela avaliação subjetiva que o professor faz ao corrigir as provas) eu adentrei (agora eu tenho certeza que meu professor de redação jornalística iria ficar super orgulhoso de mim) na sala.

Chegando lá fui até o professor pegar umas orientações sobre um trabalho que eu deveria fazer e me justificar pelas faltas da semana passada (como vcs já sabem tive uma crise de coluna e entre faltar trabalho ou faculdade, optei pela faculdade), ele não me passou orientação nenhuma. Me deu um papel, onde estava escrito que eu deveria fazer um texto baseado em um livro que eu não tenho e que o dele estava emprestado para um outro aluno fazer a monografia, mas em compensação ele me fez uma pergunta que realmente foi de grande importância e principalmente pq não fugia em nenhum momento do contexto em que estávamos.

Sabe o que ele me perguntou? Se eu namorava um policial militar, pooode? Que relevância tem isso para o trabalho que eu teria que fazer ou mesmo para a prova que seria aplicada em poucos minutos? E desde quando um professor precisa saber quem são os namorados ou namoradas de seus alunos?

De qualquer maneira eu respondi a pergunta e respondi bem direitinho, sem mentir e educadamente, vai que conta ponto pra prova?!

Falar devagar e pensar rápido


Ouvi uma frase que diz que devemos sempre falar devagar e pensar rápido. Eu falo e penso rápido demais, tanto que minhas mãos não conseguem acompanhar a velocidade de meus pensamentos e não são raras as vezes que escrevo palavras faltando letras ou até mesmo sílabas.

Dor de cotovelo ainda existe




Como tudo na vida vira história, vou contar aqui pra vocês uma que me aconteceu esse final de semana. Depois de tomar umas cervejinhas jogando conversa fora com as amigas, eu e Mirna, as únicas arianas da turma, resolvemos que tínhamos que sair. Na verdade sair naquela noite era uma questão de honra ou de necessidade, dependendo da interpretação de cada uma.

Enfim, após um banho a jato, uma maquiagem feito as pressas e algumas trocas de roupas conseguimos nos dirigir a boate. Gente faz mais de um ano (e isso não é exagero) que eu não ia a uma boate. Chegando lá, fiasco total. Parece que todo mundo nessa noite resolveu ficar em casa.

Nem foi preciso eu dar a primeira volta pra ver que o homem que atualmente eu julgo ser o da minha vida estava lá. Detalhe muito importante: com uma mocinha lourinha. Bom, como o Laurinho também tava comigo (melhor dizendo ele chegou em seguida, pq no meio do caminho nós brigamos e resolvemos que não íamos mais de carona com ele) e nem por isso somos namorados, ficantes ou algo desse tipo, eu pensei que talvez a situação com o meu suposto amor pudesse ser igual.

Ele até que conversou comigo, perguntou algumas coisas, respondeu outras, me apresentou a uma amiga dele e disse q ia ao banheiro. Genteparatudo.com.br, essa desculpa é a mais clássica que existe, todo mundo sabe que qdo alguém diz que vai ao banheiro, ta indo fugir e foi o que ele fez, fugiu e fugiu bonito.

Alguns minutos depois da fulga alucinada do meu pseudo-amor, eu encontro a tal amiga que ele me apresentou, vale ressaltar que a menina é gente fina, ou então tava tão bêbada quanto eu, mas a gente bateu um papo bacana e foi ela quem me disse que a tal loura miss simpatia era uma ex-namorada dele.

Bom caros parcos leitores, não preciso dizer que aos 33 anos, me comportando como uma adolescente de 15, ao sair da boate eu sofri. Sofri com dor de cotovelo (por sinal eu achava que isso nem existia mais), sofri pq não falei p ele que o acho uma pessoa interessante e que ele trocaria uma lâmpada facilmente na minha casa e o pior de tudo, sofri pq descobri que não sei mais paquerar.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Terceira situação:

Homem não muito alto e nem tão bonito assim.
Eu o definiria como muuuuuito interessante.

Na verdade aqui não tem diálogo, pq qdo estamos juntos eu preciso respirar fundo e não consigo conversar e respirar fundo ao mesmo tempo. Nos vemos duas vezes por semana, agora caiu pra uma, já que estou quase curada da minha crise de coluna. Sim, ele é meu fisioterapeuta. Eu gostei dele de cara, gostar de cara não significa estar apaixonada, mas eu gostaria muito que a gente viesse a se conhecer melhor.

Segunda situação:

Jovem recém saído da adolescência, não gosta de meninas da mesma idade pq não possuem nada para acrescentar a ele.
Eu o definiria como um jovem que deve gostar muito de sexo e acha q com mulheres mais velhas deve ser mais fácil.


- Oi, vc ta ocupada?
- Tô, mas pode falar.
-Se vc quiser eu ligo mais tarde.
- Não, pode falar.
- Eu quero te chamar p sair?
- Hã?
Momento de pânico. Como assim me chamar p sair? O cara tem 22 anos, eu o conheci criança e hj ta me ligando do nada e me convidando p sair? E se ele acha que mulheres mais novas não acrescentam nada, pq ele acrescentaria para mim?
- É...eu quero te chamar p sair?
- Sair p onde?
- Não sei.
- Acho melhor não.
- Pq?
- Pq, vc é mais novo e pq conheço sua mãe, seria uma situação muito constrangedora para mim.
- Só por isso?
- E vc acha pouco?
- Posso te ligar depois?
Momento de silêncio para que eu pudesse coordenar as idéias e a primeira que me veio a cabeça é de que ele era um cara insistente e que eu não queria magoá-lo.
- Ta bom, liga.
E ele ligou mesmo. Então eu pensei: bem que eu poderia estar muito desesperada p arrumar um namorado, assim talvez eu desse uma chance para que essa situação mega constrangedora acontecesse. Mas, eu não estou.

Primeira situação:

Bonito, alto, sem confirmação se o conteúdo presta.
Eu o definiria como um homem interessante.

- Vc nunca mais passou por aqui.
- Passo sim , quase todos os dias.
- Passa não, que eu sei a placa do seu carro.
Momento de silêncio. Eu penso: será isso uma ameaça? Pq ele saberia a placa do meu carro? Será que devo algo ao Detran? Logo em seguida abro um belo sorriso.
- Talvez quando eu passo vc não vê.
- Deve ser, mas vê se aparece.
Outro momento de silêncio. Eu penso: Não tenho costume de aparecer, será que ele está me paquerando? Então, outro sorriso.
- Ta bom, apareço sim.
- Vc deixou o número do seu celular cadastrado?
Momento de silêncio maior que os outros. Eu penso: Acho que realmente ele deve estar me paquerando, dou ou não o número do meu celular? Dei.
Agora o silêncio é dele e dura até hj. A mim, só resta pensar, e eu penso: Pra que pediu o número do celular se não ia ligar? Esses homens...

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Chá de Cachaça


Sexta-feira foi o Chá de Panela da minha amiga Fabíola ou Chá de Cachaça como ela mesma batizou. Ele serviu como uma espécie de confraternização das amigas. Nada daquelas brincadeiras tradicionais que no fundo todo mundo acha um saco. Nesse chá rolou muita música e bebida. Quem quis dançou, quem não quis não dançou; quem quis se embriagou e quem não quis não se embriagou. Aliás, esse é o lema da Bila: Faça que você tem vontade de fazer!! E entre querer e não querer, todo mundo se divertiu e tenho certeza que tornaram para ela esse dia muito especial.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Chorando


Esses últimos dias tenho notado que estou muito sensível. Choro até com propaganda de cartão de crédito.

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Adivinha quem são?

Um sonho de valsa para quem acertar quem são esses dois que aparecem de costas na fotografia.

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Poema da Amizade

De que é feito uma amizade?
Da infância despreocupada?
Das brincadeiras de manja?
Do bate-papo na escola?
Das aulas da faculdade?
Das baladas noturnas?
Das viagens de férias?
Das decepções amorosas?
Das vitórias da vida?
Das derrotas também?
Dos momentos alegres e felizes?
Dos difíceis e tristes?
Da afinidade?
Das diferenças?
Da convivência?
Ah...amizade não se explica
Amizade se compartilha.
* Este poema é dedicado as minhas querida amigas Mirna, Karine, Fabíola, Mabel, Florena, Suely, Marcella, Adriana, Suziane, Suely e Francielle.
Por Jannice Dantas

Só pra descontrair


O mundo é redondo


Ontem lembrei de uma estorinha que aconteceu comigo no início de minha adolescência. Refere-se a amores não correspondidos, traições e principalmente sobre as voltas que o mundo dá. Vou agora compartilha-la com vocês.

No início do ano letivo as meninas do colégio em que eu estudava estavam todas em polvorosa com a chegada do aluno novo. Marcelo vinha transferido de uma outra escola, era alto, louro e jogava voley muito bem, o que logo lhe deu uma vaga no time da escola (nessa época da vida os atletas são muito importantes para nós mulheres, além de gozarem de prestígio com os demais alunos da escola).

Não preciso nem dizer que fiquei completamente apaixonada por ele (eu e mais todas as meninas do colégio). Era uma disputa grande, todas queriam namorá-lo. Paqueras pra lá, paqueras pra cá, eu via o Marcelo ficando com todas as minhas amigas. Namorava uma aqui, beijava outra ali... e comigo não rolava nada. O que vocês meus leitores precisam saber é que eu sou ariana e como boa ariana eu sou fogo de palha, me desinteresso rápido das coisas. E foi o que aconteceu, depois de certo tempo de investidas que não deu em nada, eu esqueci do atleta.

Esqueci, mas não esqueci se é que vocês me entendem. Na verdade, eu abri mão da esperança de namorar-mos e passei a sofrer. Sim, pq adolescente adora sofrer e esse era um prato cheio para eu demonstrar pro mundo o quanto eu estava sofrendo (vale frisar que eu realmente vim, a saber, o que era amor aos 18 anos de idade). Eu acho que essa foi uma das épocas que eu mais chorei. E tudo por causa do amor não correspondido pelo Marcelo.

Até que um dia tudo mudou. Nessa época era costume dos adolescentes depois da aula, ficar conversando na praça central da cidade. E foi o que eu fiz antes de vir para casa. Parei na praça e fiquei jogando conversa fora com os amigos. Quando cheguei a minha casa, tomei o maior susto. O Marcelo estava me esperando sentado na calçada, comendo pipoca, tomado banho, cabelos ainda molhados e com um perfume que era super moda na época, chamado stilleto.

A primeira coisa que me passou pela cabeça foi me perguntar pq eu tinha parado na praça e pq eu ainda estava de uniforme escolar. Uniforme nesse tempo era diferente (descrição: saia com pregas, camisa de malha com barra e mangas sanfonadas, meias brancas e o famoso alcolor azul, enfim, um horror). Enquanto esses questionamentos passavam pela minha cabeça eu fiquei completamente imóvel, sem saber o que fazer. Até que uma frase conseguiu sair do fundo da minha garganta:

- Você por aqui, aconteceu alguma coisa?

Na verdade eu não sei o que aconteceu, só sei que nesse dia nós começamos a namorar e foi com ele que passei o meu primeiro dia dos namorados e posso garantir a vocês que não foi nada romântico. Mas o que importava é que eu estava com o Marcelo e achava que estava super feliz mas, namorar com um dos garotos mais paquerados do colégio não é tarefa muito fácil. E logo terminamos, ou melhor, ele terminou comigo. Me lembro que na época fui trocada por uma professora (sim mulheres mais velhas já namoravam rapazes mais novos, só que nessa época era um escândalo).

Os anos se passaram (e passaram voando), até que um dia, eu então com 20 anos de idade, reencontrei o Marcelo em um arraial. Ele me mandou um daqueles bilhetinhos que se eu não me engano chamam de pombo-correio, se aproximou, conversamos um pouco e nos colocamos em dia com a vida um do outro. Uma semana depois, era um sábado, me lembro como se fosse hoje, o Marcelo chega lá em casa e diz que quer ter uma conversa muito séria comigo e que essa conversa iria definir a vida dele. Vou agora transcrever o diálogo.

- Jannice, eu tenho uma proposta para ir embora para Brasília.
- Que bom Marcelo!
- Mas isso só depende de você.
- De mim?
- Sim.
- Pq de mim Marcelo?
- Pq se você disser que quer ficar comigo, pedir pra eu ficar eu desisto.
- E pq eu diria isso?
- Você não gosta de mim?
- Gosto, mas não a ponto de pedir pra você ficar. Marcelo, a gente passou tanto tempo sem se ver, a gente praticamente não se conhece mais. Além do mais a nossa época já passou.
- Então eu posso ir embora?
- Isso é uma decisão sua.
- Só isso?
- Só.
- Então tchau.
- Tchau Marcelo. Boa Viagem!

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Ter ou não ter namorado, eis a questão

Esse texto foi atribuído a Carlos Drummond de Andrade, mas é de Artur da Távola.


Quem não tem namorado é alguém que tirou férias remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabira, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas namorado mesmo é muito difícil.

Namorado não precisa ser o mais bonito, mas ser aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio, e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda ou bandoleira: basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição.

Quem não tem namorado não é quem não tem amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento, dois amantes e um esposo; mesmo assim pode não ter nenhum namorado. Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema, sessão das duas, medo do pai, sanduíche da padaria ou drible no trabalho.

Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar lagartixa e quem ama sem alegria.

Não tem namorado quem faz pactos de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade, ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de curar.

Não tem namorado quem não sabe dar o valor de mãos dadas, de carinho escondido na hora que passa o filme, da flor catada no muro e entregue de repente, de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque, lida bem devagar, de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada, de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia, ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir, fazer sesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele; abobalhados de alegria pela lucidez do amor.

Não tem namorado quem não redescobre a criança e a do amado e vai com ela a parques, fliperamas, beira d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical da Metro.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não se chateia com o fato de seu bem ser paquerado. Não tem namorado quem ama sem gostar; quem gosta sem curtir quem curte sem aprofundar. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia do dia de sol em plena praia cheia de rivais.

Não tem namorado quem ama sem se dedicar, quem namora sem brincar, quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.

Não tem namorado que confunde solidão com ficar sozinho e em paz. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando 200Kg de grilos e de medos. Ponha a saia mais leve, aquela de chita, e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesma e descubra o próprio jardim.

Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenção de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteio.

Se você não tem namorado é porque não enlouqueceu aquele pouquinho necessário para fazer a vida parar e, de repente, parecer que faz sentido

Capitão Nascimento Presidente do Brasil!

Passeando pela net encontrei uma página do Capitão Nascimento. Para quem não assistiu o filme ou mesmo não se lembra, ele é o personagem do Wagner Moura no filme Tropa de Elite. Abaixo um suposto diálogo do Capitão Nascimento com alguns de seus Ministros após eleição para Presidente da República.

Ministro da Fazenda: Sr. Presidente, a dívida externa está cada vez mais alta...
Presidente Nascimento: Bota na conta do papa.

Ministro da Casa Civil: Sr. Presidente, eu assumo, aquele escândalo envolvendo empreiteiras é tudo culpa minha.
Presidente Nascimento: Tudo bem, pede pra sair.

Presidente do Senado: O Senado não vai tolerar as incompetência do presidente
Presidente Nascimento: Quem manda nessa porra sou eu !

domingo, 11 de novembro de 2007

Os filmes do final de semana


Esse final de semana passei junto ao meu DVD. Aproveitei e juntei o útil ao agradável, descansei e assisti a alguns filmes. O primeiro chama-se O Amor Pode Dar Certo e conta a história de um casal que se conhece casualmente e ambos estão passando pelo drama de serem portadores de doença terminal. Um não sabe da doença do outro. Eles se apaixonam e passam os últimos dias de vida juntos. O filme é lindo e muito comovente. Eu comecei assistindo achando que era uma comédia romântica, mas, ele se enquadra mais na categoria de drama. Como uma boa representante da ala feminina eu chorei e não foi pouco, chorei que solucei, meus olhos ficaram inchados, meu nariz vermelho e entupido. Enfim, quando terminou eu estava com uma baita depressão, mas com a certeza de que quando dois querem o amor realmente pode dar certo.
Depois de tanto choro resolvi assistir a outro filme para ver se tirava aquela sensação de vazio e tristeza que O Amor Pode Dar Certo despertou em mim. Então, resolvi assistir ao Premonições, pelo título e por um trailer que eu havia assistido, achei que era um suspense cheio de ação. Outra vez me enganei. A mulher tem um sonho onde ela vê o marido morrendo em um acidente de carro e cada vez que ela dorme a história passa por ela, uma hora ele ainda está vivo, outra ele já morreu, enfim, uma confusão só. O detalhe é que o casamento não ia muito bem e quando eles conseguem se entender o cara morre. Na minha opinião, ela que foi a grande culpada da morte dele, pq o coitado tava parado no canto da estrada e ela pede p ele sair de onde está, ai vem um caminhão enorme e passa bem no meio do carro que ele estava dirigindo. Resultado: outra seqüência de choro (agora um pouco mais modesta). Fiquei triste por ela, imagina carregar essa culpa pro resto da vida?
Minha outra opção de não choro chamava-se Inveja Assassina, só pelo título tenho certeza que vocês já sabem mais ou menos do que se trata. Mas vamos lá, nesse filme havia uma moça loura muito bonita e rica, porém seu marido um cara bem mais velho, que ela havia casado pelo dinheiro, estava falido. A linda moçoila de olho na apólice do seguro que valia uma nota (ela até falou qto valia, mas como agora eu e a Gisele só tratamos com Euro prefiro deixar essa informação de lado), simplesmente matou o “velho” (era assim que ela se referia a ele). Mas sabe que ela se deu mal? Pois é, como o “Velho” tava falido, fazia um tempão que ele não pagava as prestações do seguro e ela não ficou com nada. Aí então a loura partiu para infernizar a vida de sua melhor amiga, queria lhe roubar o marido e com isso arrumar outro homem para lhe sustentar. O pior é que ela tinha uma profissão, era enfermeira, mas não queria trabalhar, é mole? Gente essa mulher mentiu, roubou e por fim tentou envenenar a melhor amiga dela. Eita invejinha braba essa! Mas, eu preciso confessar a vcs que a loura me lembrou uma coleguinha que eu tenho, que morre de inveja do mundo e faz tudo para prejudicar as pessoas que lhes cercam. Eu não tenho pena desse tipo de gente e sei que elas acabam sozinhas vagando pela vida.
Para finalizar a lista de filmes eu assisti O Aviador, esse filme é baseado em fatos reais e mostra a vida de um grande empreendedor da história da aviação mundial e que era cineasta por paixão. Na verdade ele se apaixonava por tudo o que fazia, o cara era podre de rico, mas tinha transtorno obsessivo compulsivo, mania de limpeza e de perfeição. Bom, pelo menos nesse filme eu não chorei, mas o final de semana já acabou e amanhã é segunda-feira, a rotina do acordar cedo e dormir tarde recomeça e vai até sexta-feira. Afe Maria!

sábado, 10 de novembro de 2007

Tô assistindo Tropa de Elite sem parar...será que o filme vicia?

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Leite


Recebi essa frase hj por emal, brasileiro é muito criativo mesmo, sempre arruma um jeitinho de tirar sarro de tudo. A seguir a frase:

"E eu, que estava quase morrendo, pensando que era por causa da cachaça... Era o leite!"

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Pretinho básico

Nada contra as cores. Acho até que essa moda do colorido é bem alegre. Amarelo, verde, azul bic, enfim, uma variedade de cores vivas que, aliás, lembram muito a minha pré-adolescência, não só as cores como o modelo de estampas também.

Mas, com todo esse arco-íris do mundo da moda, eu estou numa fase preto e branco, não pela nostalgia, ou pelo ar de tristeza e luto que o preto aparenta, mas, simplesmente pq o preto emagrece e ta sempre na moda. Portanto, concordo com aquela máxima de dúbio sentido que diz que toda mulher deve ter um pretinho básico.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Ansiedade

Ansiedade é quando sempre faltam cinco minutos para o que quer que seja.

A turma do Balão Mágico


Ai que saudade do Balão Mágico!! Nessa época eu sonhava em ser a Simony e casar com o Mike!!

Para quem não é da minha geração, como diz a Fran, titia Jann vai explicar:

Balão Mágico foi um programa infantil da Rede Globo apresentado pelos membros do grupo musical infantil brasileiro Turma do Balão Mágico entre 1983 e 1986.

A apresentação do programa começou com Simony, Fofão (Orival Pessini) e Cascatinha (Castrinho), logo acompanhados de Tob (Vimerson Cavanillas Benedicto), Mike (Michael Biggs), Jairzinho (Jair Oliveira), Luciana e Ricardinho.


O programa teve altos índices de audiência. Em meados de 1986 foi substituído no horário pelo Xou da Xuxa.

Com o fim do Balão Mágico:

Simony - lançou um álbum ao lado de Jairzinho. Buscou carreira solo, mas nunca conseguiu repetir o mesmo sucesso da época do grupo infantil. Simony também pousou nua para duas revistas masculinas. Hoje está casada e tem três filhos (vale resaltar que a mulher é uma máquina de fazer filhos);

Jairzinho - Depois do Balão Mágico, seguiu uma breve carreira com Simony mas depois largou a vida artística para estudar nos EUA. De volta à música, tem uma carreira de relativo sucesso no Brasil;

Tob - Foi forçado a deixar o Balão Mágico ao completar 14 anos. Gravou um LP de menor repercussão, e aos poucos se afastou da carreira musical. Hoje é ator, e viajou para fora do país com as peças Antígona e O Canto do Gregório, de Antunes Filho;

Mike - Hoje toca músicas brasileiras em Londres, onde mora.

sábado, 3 de novembro de 2007

Halloween


A caminho da big festa do dia 31 de outubro

Serviço de utilidade pública

Eu quero saber o que leva uma pessoa a ligar para a outra, dizer um monte de coisas agradáveis, cobrar interesse, marcar encontro e depois simplesmente desaparecer. Se alguém souber, por favor, deixe um comentário aqui e me esclareça essa dúvida.

Natal???

Mês que vem já é natal! Como diria minha amiga Francielle: Chupa essa manga!

Daulorde?

Gente para tudo! Preciso compartilhar isso com meus parcos leitores. Imaginem vocês que por esses dias me ligou um rapaz me propondo a troca da brturbo pela uol, até ai tudo bem, se ele não tivesse dificuldade para se comunicar. Na verdade tudo bem nada, pq eles só ligam em horas impróprias e não sabem ser diretos, ficam falando...falando...falando...e quando você vê já se passaram uns 15 minutos. Mas vamos ao que interessa, uma das vantagens que ele oferecia era um tal de “daulorde”, e era “daulorde” pra lá, “daulorde” pra cá que vocês nem imaginam. E ele ainda teve a cara de pau de me perguntar se eu sabia o que era “daulourde”. A vontade de dizer que não, que eu sabia o que era download se isso servia, foi no corpo todo!

Problemas com a diagramação

Eu não sei se o problema é comigo ou com a net, só sei que quando eu vou publicar algum post novo, eu me preparo toda, muitas vezes pesquiso uma imagem bacana no google, dou espaços entre um parágrafo e outro, mas na hora da postagem da tudo errado. O trequinho que a gente clica em cima e abre o espaço para postar imagens não aparece, depois quando coloco o texto na caixa não consigo justificar as margens, pq o trequinho de justificar também não aparece e para finalizar, os espaços que eu dou entre os parágrafos simplesmente desaparecem.

Enquanto isso no feriado...

Dois de novembro foi um dia muito cansativo e quente. Primeiro acordei com resquícios de uma enxaqueca que tive na noite anterior (e se tem uma coisa que tenho tido com freqüência é enxaqueca, putz como dói). Depois eu, Julinha e vovô fomos ao cemitério, afinal era dia dos finados e fomos prestar nossa homenagem a minha querida vozinha. Gente o calor estava tão grande, o sol tão forte que nós terminamos até pegando um pouco de cor (mesmo usando enormes sombrinhas para nos proteger).
E para fechar um dos dias mais quentes do ano o meu ar-condicionado resolveu dar “tiuti”. Foi a noite mais longa de toda a minha vida e já sei que será o fim de semana mais longo também, pq as pessoas responsáveis pela manutenção dele, simplesmente não tem secretária.
Mas isso não seria nada de mais se eles tivessem pelo menos um número de telefone disponível, pintado no letreiro para que as pessoas conseguissem entrar em contato. Sabe o que eles fazem? Não possuem secretária, não deixam a vista nenhum telefone e simplesmente fecham a loja quando saem para fazer algum serviço de reparo ou manutenção. Eu posso com isso?

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Amor

Quando alguém te ama de verdade a forma de dizer teu nome é diferente!

sábado, 20 de outubro de 2007

A VERDADEIRA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Recebi esse email e pelo conteúdo resolvi compartilhar com meus leitores.

Brasil, mostra a sua cara!

Artigo 1° — Todos os brasileiros são iguais perante a lei, exceto:

a — Os componentes do Poder Judiciário, por serem os pilares da democracia;

b — Os Políticos, por terem imunidade parlamentar;

c — Os militares, por serem responsáveis pela segurança da nação;

d — As pessoas jurídicas, por serem o sustentáculo financeiro do país, oferecendo emprego e produzindo os bens e serviços necessários à sobrevivência do povo;

e — Os Banqueiros, porque são banqueiros;

f — Os Donos de rádio, TV e jornais, que colaboram diariamente para o fiel cumprimento desta lei, omitindo fatos que poderiam levar o resto do povo à revolta;

g — Aqueles que forem julgados “especiais” pela Suprema Corte do País, pelos motivos que eles considerarem justos.
Artigo 2° — Caberá aos brasileiros, salvo as exceções previstas no artigo anterior:

a — Pagar seus impostos federais, estaduais e municipais, sob pena de prisão;

b — Obedecer as leis, leis estas elaboradas e aprovadas pelas pessoas inclusas no artigo 1°;

c — Agradecer toda manhã, o pão de cada dia, a escola pública de graça, o atendimento hospitalar fornecido pelo poder público, o transporte público, a água e a luz, desde que não se atrase os respectivos pagamentos, sendo que o uso de telefone fica transferido para a iniciativa privada, devendo a mesma estipular os seus regulamentos;

d — Não se sentir ofendido quando um ministro do Supremo Tribunal Federal for à TV dizer ao povo, que vive com um salário mínimo de R$ 150,00, que o salário dos magistrados, hoje em torno de R$ 13.000,00 é insuficiente para sua sobrevivência, requerendo um abono de 20 salários mínimos a título de ajuda de moradia, moradia esta que, por sinal, eles já têm...
Revoga-se a lei natural da REVOLTA E DA INDIGNAÇÃO, objetivando manter as categorias previstas no artigo 1° eternamente como os supremos mandatários do país.
Esta lei entra em vigência na data de sua publicação, e tem validade até que o povo, não incluso no artigo 1°, abra os olhos e veja como funciona toda a engrenagem.

--------------------------------------------------------------------------------

Nota

Este título, que estamos dando como “documento público” por se tratar de “texto constitucional”, tem sua origem na internet.

Representa, quando menos, um documento histórico, a ser preservado e guardado ao lado da vigente “Constituição”. Se seu texto realmente traduz a constituição real de nosso país, como pretende, retrata, em poucas e boas linhas, a condição de súditos, e não de cidadãos, em que viviam os brasileiros nos inícios do século XXI. Não inclui seções, nem capítulos, nem artigos adicionais, dispensáveis, pois, a ser verdade e retrato nacional o que subjaz ao texto, não estaríamos em uma República democrática, que, em princípio, teria como princípio básico a igualdade de verdadeiros cidadãos.

Que o eventual leitor julgue por si.

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

O milagre da multiplicação dos carros


O milagre da multiplicação dos carros é muito simples. Basta você começar a paquerar alguém que tenha carro, vamos supor que seja um focus de cor preta, você olha e pensa:

“- Eu nunca tinha visto um carro igual a esse, vai ser fácil identificá-lo”.

Ledo engano. De uma hora para a outra vc percebe que o número de focus preto aumenta a cada dia, ou melhor, a cada sinal de trânsito. E que mesmo sendo focus e preto existem diferenças entre eles. Um tem película mais escura, outro uma roda mais incrementada ou um adesivo que ajuda na identificação do veículo e logo vc percebe que a maioria dos carros da sua cidade são da ford, focus e preto.

Pronto, eis o milagre da multiplicação dos carros.

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Um brinde a vida


O tempo realmente é implacável, com ele os anos passam, a velhice chega, muitas máscaras caem ao longo do caminho, mas os verdadeiros amigos permanecem. Passamos por perdas, decepções, amores e amadurecemos com tudo isso. Perdemos a inocência e ganhamos experiências. Isso é a vida!

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Primeiro poema

O sol
O vento
A árvore
A folha
Natureza
Com essa linda e curta poesia eu já posso me intitular poetiza e quem sabe até lançar um livro.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Uma curta "gazetada"

Criança esperta era Martinha. Agora com onze anos, entrando na adolescência, os hormônios em erupção, o corpo se transformando e a rebeldia lhe acompanhando, resolveu pela primeira vez “gazetar” aula.
Achando que nunca seria descoberta, combinou com seu grupo de colegas a coisa errada a fazer. No dia e hora marcados, saíram todos da escola e foram fazer um passeio pelas ruas. Mas o que os jovens “gazeteiros” não contavam é que sentiriam suas ausências na escola.
Ora, dito e feito, após 20 minutos, todos os pais já estavam cientes que seus lindos filhinhos haviam se batizado no “gazetamento” de aula. E com a ajuda da tão famosa tecnologia, começaram um a um a entrar em contato com seus pimpolhos através dos aparelhos celulares. Momento de pânico para os jovens aprendizes na arte de “gazetar” aula.
Resolveram então retornar de onde não deveriam ter saído. E depois de passar pelo sermão da diretora, sermão do pai, sermão da mãe, ainda tiveram que agüentar os olhares acusadores e divertidos dos colegas que ficaram assistindo aula enquanto a turminha perambulava pela cidade.
* Por Jannice Dantas

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Três paixões

"Três paixões, simples, mas extremamente poderosas, regem a minha vida: o anseio por amor, a busca por conhecimento e uma piedade pelo sofrimento humano"

* Bertrand Russel

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Dia Internacional do Homem

Acabei de receber esse email de um amigo, como eu não sou feminista e muito menos machista resolvi publicar para que vocês compartilhem comigo esse divertido texto (sim, pq isso só pode ser uma piada), vejam a bandeira que ele está levantando:
Vocês acham que é fácil ser homem? Estamos iniciando uma campanha para a instauração do Dia Internacional do Homem. Já existe dia da mulher, dia do cachorro, dia do gay, até dia do advogado! Por que não o Dia Internacional do Homem? Algumas razões para a criação do Dia Internacional do Homem:
1) Quem é obrigado a erguer os pés quando ela está fazendo faxina?
R: O prestativo homem!
2) Quem se veste como pingüim no dia do matrimônio?
R: O humilde homem!
3) Quem é que, apesar do cansaço e do stress, jamais poderá fingir um orgasmo?
R: O sincero homem!
4) Quem é obrigado a sustentar a amante esbanjadora?
R: O abnegado homem!
5) Quem se expõe ao stress por chegar em casa e não encontrar a comida quentinha, as crianças com o banho tomado, a roupa lavada, a cozinha limpa e o drink já posto sobre a mesa?
R: O doce homem!
6) Quem corre o risco de ser assaltado e morto na saída da boate, cada vez que participa dessas reuniões noturnas com os amigos, enquanto a mulher está bem segura em casa na sua caminha quentinha?
R: O desprotegido homem!
7) Quem é o encarregado de matar as baratas da casa?
R: O valente homem!
8) Quem segura a "cauda do rojão" quando chega em casa com marca de batom na camisa e é obrigado a dar explicações que nunca são aceitas?
R: O incompreendido homem!
9) Quem é que toma banho e se veste em menos de vinte minutos?
R: O ágil homem!
10) Quem é que tem de gastar consideráveis somas em dinheiro comprando presentes para o dia das mães, da esposa, da secretária e outras festas inventadas pelo homem para satisfazer à mulher?
R: O dadivoso homem!
11) Quem jamais conta uma mentira?
R: O ético homem!
12) Quem é obrigado a ver a mulher com os rolinhos nos cabelos e a cara cheia de cremes?
R: O compreensivo homem!
13) Quem tem que passar por uma TPM calado todo mês?
R: O calmo homem!
E mais: A tortura de ter que usar terno no verão. O suplício de fazer a barba todo dia. O desespero de uma cueca apertada. Viver sob o permanente risco de ter que entrar numa briga. Pilotar a churrasqueira nos fins de semana enquanto todos se divertem. Ter sempre que resolver os problemas do carro. Ter a obrigação de ser um atleta sexual. Ter que notar a roupa nova dela. Ter que notar que ela mudou de perfume. Ter que notar que ela trocou a tintura do cabelo de Imédia 713 para 731 louro bege salmon plus up light forever.Ter que notar que ela cortou o cabelo, mesmo que seja somente um centímetro. Ter que jamais reparar que ela tem um pouco de celulite. Ter que jamais dizer que ela engordou, mesmo que isto seja a pura verdade. Ter que conversar sobre aplicações, debêntures, dólares, commodities, marcos CDBs e RDBs, mesmo que o seu salário mal dê para chegar ao final do mês. Trabalhar prá caramba em prol de uma família que reclama que você trabalha pra caramba! Depois elas ainda acham que é fácil, só porque nós não menstruamos...DEUS ABENÇOE O SANTO HOMEM !!!!

Proibido proibir

Exibição com a presença do roteirista, diretor e professor universitário de cinema Jorge Duran (DIRETOR DO FILME)


Três jovens universitários - Paulo (Caio Blat), Letícia (Maria Flor) e Leon (Alexandre Rodrigues) - enfrentam os conflitos morais e éticos de um triângulo amoroso. Ao mesmo tempo, a vida universitária os leva a misturar-se com os problemas da realidade que os circunda, nos quais tentam intervir, com conseqüências dramáticas. Este é o fio condutor do filme Proibido proibir, do roteirista, diretor e professor universitário de cinema Jorge Duran, em exibição nesta sexta-feira (05), às 19 horas, no Cineclube Aquiry, na Usina de Arte João Donato. Para quem é cinéfilo de carteirinha ou um curioso da Sétima Arte a sessão é imperdível, pois contará com a presença de Jorge Duran, que após a exibição irá debater o filme com a platéia.

Quando: nesta sexta-feira (05), às 19 horas - Entrada Franca

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Estudiosas essas meninas


"...Deixa que digam
Que pensem
Que falem..."

* Lulu Santos

Para rir

Uma criança de quatro anos, à vista do grande apelo de marketing dos Jogos Panamericanos e dos Jogos Olímpicos, pergunta para o seu pai:
- Papai, o que são PARA-OLIMPÍADAS?
O pai, com habilidade, responde à filhinha:
- Assim como tivemos o PAN e o PARA-PAN, teremos as Olimpíadas e as PARA-OLIMPÍADAS. As PARA-OLIMPÍADAS, como o PARA-PAN, são para os atletas especiais, com deficiência física, mental, entendeu, filhinha?
- Ah, papai, entendi... Por isso é que teve eleição PARA-PRESIDENTE e o Lula ganhou, né?

Pobre Edileuza

Edileuza era casada e mãe de dois filhos. Mulher jovem, porém muito amarga. Não era bonita e nem tão pouco possuia grande inteligência. Seu passa tempo favorito era externar seu preconceito contra pessoas que ultrapassavam o limite de peso, homossexuais e os menos favorecidos financeiramente.

Extremamente preconceituosa Edileuza se escondia na religião. Freqüentava a igreja rigorosamente e sempre que podia pregava a palavra de Deus e dizia a todos, o quanto havia mudado por causa “Dele”.
Pobre Edileuza, vivia em um mundo tão artificial que achava que a beleza física era a coisa mais importante na vida e talvez por acreditar nisso fosse tão infeliz, já que ao nascer não fora presenteada com o que tanto exaltava.
Mas Edileuza bem que tentava. Comprava roupas de grife (porém escolhia cores muito vivas ou modelos ultrapassados e terminava se tornando cafona), freqüentava academias em busca do corpo perfeito, certa vez chegou até a tentar uma mudança radical no cabelo (e conseguiu, porém não para melhor). Enfim, talvez por não viver bem consigo mesma, não se aceitar do jeito que veio ao mundo era tão infeliz e amarga a coitadinha.
E nessa infelicidade estava forçada a viver, até o dia em que percebesse que o exterior não é tudo. Que devemos gostar das pessoas não por sua beleza ou riqueza, mas pela amizade que elas nos doam. Que ser gordo ou homossexual não diminui o caráter de ninguém, afinal quantos ladrões e assassinos são lindos e ricos? E finalmente que beleza não põe mesa, como já dizia a minha avó.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Vc sabe que esta vivendo em 2007 quando:

1. Você acidentalmente tecla sua senha no microondas.

2. Há anos não joga paciência com cartas de papel.

3. Você tem uma lista de 10 números de telefone para falar com sua família de 3 pessoas.

4. Você envia e-mail ou msn para conversar com a pessoa que trabalha na mesa ao lado da sua.

5. A razão porque você não fala há muito tempo com alguns de sua família é desconhecer seus endereços eletrônicos.

6. Você usa o celular na garagem de casa para pedir a alguém que o ajude a desembarcar as compras.

7. Todo comercial de TV tem um site indicado na parte inferior da tela.

8. Esquecendo seu celular em casa, coisa que você não tinha há 20 anos,você fica apavorado e volta para buscá-lo.

10. Você levanta pela manhã e quase que liga o computador antes de tomar o café.

11. Você conhece o significado de naum, tbm, qdo, xau, msm, dps ...

12. Você não sabe o preço de um envelope comum;

13. Para você ser organizado significa, ter vários bloquinhos uma agenda eletrônica ou coisas do tipo;

14. A maioria das piadas que você conhece, você recebeu por e-mail (e ainda por cima ri sozinho...);

15. Você fala o nome da firma onde trabalha quando atende ao telefone em sua própria casa (ou até mesmo o celular!!);

16. Você digita o "0" para telefonar de sua casa;

17. Você vai ao trabalho quando o dia ainda está clareando com preguiça, volta para casa quando já escureceu de novo;

18. Quando seu computador pára de funcionar, parece que foi seu coração que parou;

19. Você está lendo esta lista e está concordando com a cabeça e sorrindo.

21. Você está concordando tão interessado na leitura que nem reparou que a lista não tem o número 9.

21. Você retornou a lista para verificar se é verdade que falta o número 9 e nem viu que tem dois números 21.

22. E AGORA VOCÊ ESTÁ RINDO CONSIGO MESMO...

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Sobre leituras e filhos


Dizem que filho de peixe peixinho é, e muitas vezes isso é verdade mesmo. Mas eu acredito que o tipo de educação que é dado aos filhos, a convivência e o exemplo dentro de casa também são responsáveis pelas escolhas e pelo tipo de pessoa que eles se tornam quando crescem.

Não é muito difícil o filho de um advogado se tornar advogado, assim como o filho de médico, músico, ator, enfim. Também é muito pouco provável que filhos de vegetarianos comam carne e vice-versa. E tem outro ditado antigo que explica bem toda essa situação: os pais são espelhos dos filhos.

Mas na verdade o que realmente eu quero dizer é que minha filha adora ler. Coisa não muito comum nessa geração da internet. Mas ela gosta e gosta mesmo. Gosta de folhear o livro, de senti-lo em suas mãos e gosta mais ainda de imaginar cada cena escrita.

Comparando o filme com o livro ela me disse que prefere muito mais o livro, pq ele tem mais riquezas de detalhes. Não preciso nem dizer que eu no papel de mãe fico toda orgulhosa.

Ontem fomos a uma livraria para comprarmos um livro didático que a escola solicitou. A impressão que eu tive é de que ela estava em um parque de diversões de tão grande que era o entusiasmo por cada livro novo que encontrava pelo caminho. Acho que por ela, tínhamos comprado a livraria toda.

Acho que esse gosto pela leitura vem desde pequenina, quando eu sentava com ela para ler estórias infantis. Hoje ela não precisa mais de mim para ler, mas ainda temos esse costume de lermos juntas e às vezes quando estou muito cansada ela então lê p mim. Nessas horas parece que os papéis se invertem e ela passa a ser a mãe enquanto eu sou a filha que precisa de uma estorinha para dormir.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Amado


Como pode ser gostar de alguém
E esse tal alguém não ser seu
Fico desejando nós gastando o mar
Pôr do Sol, postal, mais ninguém
Peço tanto a Deus
Para esquecer
Mas só de pedir me lembro
Minha linda flor
Meu jasmim será
Meus melhores beijos serão seus
Sinto que você é ligado a mim
Sempre que estou indo, volto atrás
Estou entregue a ponto de estar sempre só
Esperando um sim ou nunca mais
É tanta graça lá fora passa
O tempo sem você
Mas pode sim
Ser sim amado e tudo acontecer
Sinto absoluto o dom de existir, não há solidão, nem
pena
Nessa doação, milagres do amor
Sinto uma extensão divina
É tanta graça lá fora passa
O tempo sem você
Mas pode sim
Ser sim amado e tudo acontecer
Quero dançar com você
Dançar com você
Quero dançar com você
Dançar com você



* Vanessa da Mata

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Clarice e Antonio

Clarice era uma mulher independente, dessas que sempre sabem o que quer. Certo dia em uma reunião de trabalho conheceu Antonio, homem muito tímido, porém muito inteligente e educado. Clarice sentiu uma forte atração por ele, porém foi impossível deixar de notar a grossa aliança que ele trazia em sua mão esquerda. Na verdade a atração foi recíproca e eles termiram trocando números de telefones.

Clarice e Antonio passavam horas ao telefone, conversavam sobre tudo. Aos poucos foram se conhecendo e a atração crescendo. O beijo foi inevitável e Clarice que em seus pensamentos tinha certeza que não passaria de um envolvimento sem conseqüências, no meio do caminho se perdeu e quando se achou estava completamente apaixonada por Antonio.

Antonio por sua vez também sentiu algo muito forte por Clarice, ambos estavam apaixonados. Passaram então a se ver todos os dias. A necessidade de estarem juntos era muito grande. Porém não mudava o fato de Antonio ser casado, isso afetava os dois, de forma diferente claro, mas afetava.

Ela pensava no sofrimento que causaria a esposa dele se um dia o caso de amor dos dois fosse descoberto. Ele se sentia culpado por sempre pensar nela quando estava com a esposa. Mas entre culpas e medos eles seguiram adiante.

Com o tempo os ciúmes começaram a aparecer, Antonio sentia ciúmes por Clarice ser solteira e freqüentar festas sozinhas, podendo assim algum dia conhecer alguém também solteiro e que pudesse dar a ela a estabilidade de um relacionamento. Já Clarice não suportava a idéia dele dividir a mesma cama e o dia-a-dia com a esposa. As brigas então começaram.

Um ano se passou. Eles continuavam juntos, porém estava cada vez mais perto o dia da grande decisão de Antonio: Separar da esposa para viver com Clarice, ou deixar Clarice e continuar seu casamento. Antonio com medo do futuro e inseguro com o que era novo, resolveu optar pelo casamento. A separação foi sofrida e ambos seguiram cada um por seu caminho.

Por muitas vezes se pegavam pensando um no outro e no tempo que passaram juntos. Exatamente cinco meses se passaram até o primeiro reencontro. O destino quis que os dois se encontrassem por acaso em algum corredor da vida.

Com o coração batendo forte, mãos geladas e trêmulas Clarice viu Antonio caminhar em sua direção. Já Antonio ao ver Clarice pensou que ela parecia ainda mais bonita do que da última vez que a vira, talvez ela já o tivesse esquecido, quem sabe até já casara. E uma enorme curiosidade de saber como estava à vida dela fez com que ele caminhasse até lá.

Eles voltaram a se encontrar, não com tanta freqüência como antes, mas estavam juntos novamente. Mas o que era esporádico passou a ser freqüente. E como no começo tudo são flores, a vida transcorria sem brigas até que Antonio começou a se sentir inseguro pela liberdade que ela tinha e Clarice por ele não ter liberdade. As brigas então recomeçaram.

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Amar!

"Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui...além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar! Amar!E não amar ninguém!"
* Florbela Espanca

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Inconstância

Preciso dizer que sou bastante inconstante, gosto de mudar sempre. Isso acontece com os caminhos que faço para chegar aos lugares que sempre vou, com o tempo acabo me acostumando com a paisagem e começo a achar aquele caminho muito chato, para não cair na monotonia trato logo de arrumar um caminho novo mesmo que seja mais longo.

Hoje foi a vez do blog, cansei do visual que ele tinha e resolvi mudar, troquei fonte, cor, enfim...Por isso caro leitor não se assuste ao entrar e encontrar tudo diferente, foi apenas um vento forte que passou por aqui atras de sair da rotina.

Abaixo deixo a letra de "Agora só falta você" da Rita Lee.

Um belo dia resolvi mudar
E fazer tudo o que eu queria fazer
Me libertei daquela vida vulgar
Que eu levava estando junto a você
E em tudo que eu faço
Existe um porquê
Eu sei que eu nasci
Eu sei que eu nasci pra saber
E fui andando sem pensar em voltar
E sem ligar pro que me aconteceu
Um belo dia vou lhe telefonar
Pra lhe dizer que aquele sonho cresceu
No ar que eu respiro, uu
Eu sinto prazer
De ser quem eu sou
De estar onde estou
Agora só falta você, iê, iê
Agora só falta você, aaa...
Agora só falta você, iê, iê
Agora só falta você, au!
E fui andando sem pensar em voltar
E sem ligar pro que me aconteceu
Um belo dia vou lhe telefonar
Pra lhe dizer que aquele sonho cresceu
No ar que eu respiro, uu
Eu sinto prazer
De ser quem eu sou

Indecisão

Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer,
mas acha que deveria querer outra coisa.

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Isadora e Júlia


"Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças"
(Fernando Pessoa)
* Fernando Antonio Nogueira Pessoa é considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa tendo seu valor comparado ao de Camões. Teve uma vida discreta, em que atuou no jornalismo, na publicidade, no comércio e, pricipalmente, na literatura, onde desdobrou-se em várias outras personalidades conhecidas como heterônimos. Morreu de problemas hepáticos aos 47 anos.

Adriana Vilhena

Tem coisa melhor do que colocar o papo em dia com uma amiga querida? Hoje tive a oportunidade de fazer isso. Mesmo numa conversa rápida, deu p falar de filhos, trabalho, estudo e expectativas do futuro.

O melhor de tudo é perceber que o carinho continua o mesmo apesar da longa distância que nos separa. Há muitos anos atrás minha amiga Adriana resolveu deixar Rio Branco para estudar, deixou para trás também toda a sua família e os muitos amigos que fez.

No começo confesso que sua ausência me fez muita falta, depois com o passar do tempo a gente termina se acostumando com tudo, até com o que é ruim e eu me acostumei com a ausência das longas conversas, dos desabafos, dos passeios, do sutaque paraense e até da maniçoba que as vezes a mãe dela fazia só p reunir os amigos.

Porém a distância não significa esquecimento, e dentro de nós ainda temos o nosso pacto de adolescência: juntar nossa pedrinha quando nossos desejos (da época) estiverem realizados. Acho que ano vem essa pedra se une novamente.

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Férias fora de época





































No último feriado resolvi chutar o balde, arrumei minha mala e fui viajar. Uma viagem tida como dessas q nos fazem renascer espiritualmente. Passei seis dias no Peru visitando as ruínas Incas. Realmente por lá tudo é muito bonito e o que mais me chamou a atenção é q as ruas são limpas mesmo sem ter lixeiras espalhadas nas esquinas.

Além de conhecer as ruínas e ficar por dentro da história dos povos Incas, fiz umas aulas de step maravilhosas. Nunca tinha subido tanta escada na minha vida como nesses seis dias, mas o pior de tudo não foi subir escadas, o pior foi vencer o medo de altura. Na verdade eu tenho pânico de altura, sinto vertigens e vontade de pular (acho que tenho tendência suicida). Mas eu fiquei tão empolgada com a viagem e com a possibilidade de ir ao "exterior" para conhecer lugares que eu já havia estudado na escola que me esqueci completamente que as construções Incas ficam em cima das montanhas.

Bom, confesso que por várias vezes eu pensei em desistir das subidas nas beiras dos penhascos, mas tive o grande apoio de meus companheiros de viagem Karine e Alberto (nada como viajar com os amigos). E ao fim eu sempre era presenteada com uma bela paisagem.

Foram seis dias maravilhosos, porém essa história de dizer que as pessoas fazem essa viagem para relaxar é pura lenda urbana. Vejam vocês, precisamos acordar muito cedo pq os passeios saem geralmente entre cinco e seis horas da manhã, depois passamos aproximadamente dez horas subindo e descendo montanhas, sempre correndo claro (assim o turista fica com mais falta de ar, cansado e mostra todo o seu despreparo diante da população local). Essas subidas são intercalas com aproximadamente uma hora de viagem entre uma cidade e outra. Além do mais, turista que se preze tem que sair p curtir a noite. E claro que a gente não ia ficar p trás (traduzindo: além de tudo isso a gente ainda ia dormir tarde).

Mas o que a gente leva dessa vida são somente as experiências que vivemos e o amor de quem amamos, por isso, como dizia o poeta: “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”.

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Paixão



Paixão é quando apesar da palavra "Perigo" o desejo vai e entra!

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

O primeiro amor de Clara

Clara aos quinze anos de idade era uma moça divertida e bem humorada. Sempre de bem com a vida, dividia seu dia entre os estudos e o voleibol, seu esporte favorito. Na verdade Clara gostava mesmo era do vôlei e deixava seus estudos sempre para depois, atitude essa refletiva na sua reprovação escolar no final do ano.

Pois bem, Clara aos quinze anos resolveu que iria namorar, afinal já estava ficando velha e como diziam seus amigos, “estava passando do ponto”. Por coincidência a casa ao lado da sua havia acabado de receber novos inquilinos, mãe e dois filhos. Por curiosidade ou não Clara começou a observar o movimento dos vizinhos recém-chegados. Aos poucos ela foi se apaixonando por Henrique, o filho caçula. A paquera era correspondida e alguns meses depois eles começaram a namorar.

Clara estava feliz da vida, Henrique também. Aliás vale ressaltar que ele aos 18 anos já era um verdadeiro cavalheiro. Fazia questão de estar esperando pela namorada na parada de ônibus que ela sempre descia quando voltava da escola e vivia sempre presenteando-a com pequenos mimos, próprios da adolescência.

Aos olhos dos outros eles eram um casal feliz. Brigavam e brincavam um com o outro com a mesma facilidade. Trocavam recados e se controlavam pelas janelas de suas casas. Porém algo no casal incomodava as pessoas. Clara não entendia, achava tudo normal. Gostava de Henrique e ele dela e assim achava que esse era o rumo natural das coisas. Porém Henrique era negro e Clara tinha uma pele que de tão branca parecia algodão. O contraste do jovem casal aos olhos de algumas pessoas não era nada agradável.

Mas Clara que sempre achou que as pessoas deveriam ser valorizadas por seu caráter e suas ações e não pela cor da pele, acreditava que todas as pessoas eram iguais a ela e por isso não percebia que os olhares curiosos e os narizes torcidos que o casal recebia era por causa do contraste das cores. E assim Henrique e Clara seguiram adiante até o fim do amor juvenil e foram felizes enquanto vivenciavam as emoções do primeiro amor.

domingo, 26 de agosto de 2007

Sábado a tarde, beira do rio, cerveja gelada e boas amigas...





Coisas que odeio em você


"Odeio o modo como fala comigo

E como corta o cabelo

Odeio como dirigi o meu carro

E odeio seu desmazelo

Odeio suas enormes botas de combate

E como consegue ler minha mente

Eu odeio tanto isso em você

Que até me sinto doente

Odeio como está sempre certo

E odeio quando você mente

Odeio quando me faz rir muito

Mais quando me faz chorar...

Odeio quando não está por perto

E o fato de não me ligar

Mas eu odeio principalmente

Não conseguir te odiar

Nem um pouco

Nem mesmo por um segundo

Nem mesmo só por te odiar"



* Desconheço a autoria